Ombro dolorido: é bursite?


Bursite é uma doença ortopédica caracterizada pela inflamação da bursa, uma bolsa cheia de líquido, existente no interior das articulações, cuja finalidade é amortecer o atrito entre ossos, tendões e músculos. A bursite pode acontecer em qualquer articulação, mas é mais comum no ombro, a tal ponto que as pessoas leigas chegam a pensar que ela só existe nesta localização.

A bursite do ombro, também chamada de bursite subacromial, bursite subdeltoidea ou simplesmente bursite, é, pois, a inflamação da bolsa do ombro.

As causas mais comuns das bursites são traumatismos ou infecções articulares, uso excessivo e repetitivo das articulações, lesões por esforços, artrites e gota. Nem sempre as causas da bursite podem ser determinadas e muitas vezes elas surgem aparentemente “do nada”.

A bursite no ombro pode ser causada pelo uso excessivo dos braços, mas também pode ocorrer em razão de lesões na articulação do ombro, problemas articulares, como gota ou artrite reumatoide, pancadas diretas no ombro e infecções no ombro, após cirurgia, por exemplo. A bursite no ombro também ocorre em indivíduos que fazem movimentos repetitivos com os braços, como pintar por várias horas, digitar no computador, costurar ou limpar janelas.

O ombro é uma das mais complexas articulações do nosso corpo. Dela participam três ossos e diversos músculos, tendões e ligamentos que permitem que o braço se movimente de forma multiaxial e possibilitam uma grande amplitude de movimentos. Para diminuir o atrito, amortecer o impacto e permitir o deslizamento entre as estruturas anatômicas do ombro existe a bursa, uma pequena bolsa cheia de líquido, localizada abaixo do acrômio (extremidade superior do osso escápula) e do músculo deltoide. A bursite do ombro é a inflamação desta bursa.

A bursite do ombro provoca dor na parte externa ou na frente do ombro, que pode irradiar para o braço, e incapacidade de movimentar a articulação do ombro, principalmente elevar os braços além da cabeça ou levá-los às costas. Pode haver ainda um aumento da sensibilidade local à pressão, calor e inchaço.

Geralmente a bursite do ombro acomete desportistas que fazem movimentos do braço acima da cabeça, tais como nadadores, tenistas e arremessadores de peso. Também pode ocorrer em atividades como carpintaria, costura e pintura.

A bursite do ombro faz parte de um quadro chamado de síndrome do impacto do ombro, que é uma patologia do ombro na qual não apenas a bursa encontra-se inflamada, mas também os músculos que passam pelo espaço subacromial apresentam sinais de tendinite (inflamação dos tendões).

A dor da bursite do ombro localiza-se na parte superior do braço, ao longo do músculo deltoide, podendo irradiar-se até quase o cotovelo. A dor tende a iniciar-se de forma leve e acentuar-se progressivamente durante dias ou semanas, agravando-se com a movimentação do braço, principalmente quando se tenta levantá-lo acima da linha do ombro. Esse movimento pode mesmo se tornar impossível. Essa dor no ombro e dificuldade para mover o braço são os sintomas mais comuns da bursite subacromial e da síndrome do impacto do ombro.

O diagnóstico da bursite do ombro a partir dos sintomas é relativamente simples, desde que seja colhida uma boa história clínica e feito um correto exame físico. Havendo dúvidas, o médico pode ainda solicitar uma radiografia, uma ultrassonografia ou uma ressonância nuclear magnética do ombro.

Outras informações podem ser vistas nos artigos sobre "Bursite", "Dores no ombro", "Lesão por esforço repetitivo ou L.E.R." e "Artrite".

Quando o indivíduo segue corretamente o tratamento fisioterapêutico e se vale dos tratamentos médicos sintomáticos, esta é uma doença habitualmente curável.

O tratamento da bursite aguda do ombro deve obedecer ao repouso absoluto ou relativo daquela articulação, na dependência da gravidade do problema, imobilização temporária da articulação e administração de analgésicos, anti-inflamatórios, corticoides, relaxantes musculares e aplicação de gelo. Os exercícios de fisioterapia ajudam a fortalecer os músculos da articulação e a restaurar a amplitude dos movimentos.

Em alguns casos, de bursite crônica, pode ser necessário extrair líquido da articulação e injetar corticoides, para reduzir a inflamação. Se a causa da bursite for uma infecção bacteriana, deverá ser tratada com antibióticos. A drenagem cirúrgica raramente é necessária.

Não podemos deixar de citar a Acupuntura como tratamento de primeira escolha para a bursite de ombro.

A bursite do ombro tem uma tendência a recidivar, a voltar.

Para prevenir novas crises, assim que houver uma melhora do quadro clínico, a pessoa deve começar a praticar exercícios leves e ir aumentado o esforço gradualmente.

Mesmo com o tratamento adequado a cura total pode levar meses. Após a cura, o indivíduo deve continuar a prática de exercícios ou esporte de que goste, para manter a articulação bem lubrificada e os músculos fortalecidos.

Para tentar prevenir a bursite do ombro, a pessoa deve aquecer e alongar os músculos do ombro antes de submetê-los a exercícios. Os exercícios repetitivos devem ser pausados por pelo menos dez minutos a cada hora.

Se a bursite no ombro não for tratada nas suas fases iniciais, ela tende a se tornar crônica e de mais difícil solução. A inflamação prolongada da bursa pode levar à calcificação, enrijecimento e perda da sua capacidade de proteger a articulação.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Duloxetina: para tratamento de dores neurogênicas e enxaquecas.

Exame de urina

Equimoses